terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

¿Qué pasará el 2012?


O Blog de Letras abre espaço para postar um debate internacional que ocorreu no Chile na cidade de Temuco:

Realizada el 02 de febrero en la sala de Convenciones del Hotel Aité con apoyo de la Universidad Arturo Prat - UNAP, sed Victoria. Orador don Hernan Saavedra, Ingeniero Civil de la Universidad de Chile, Gerente de Canales Electrónicos del Banco del Estado, MBA en Comercio Electrónico, Master en Programación Neurolingüiística y Coaching Ontológico.
Hace una reflexión sobre varias fuentes científicas y no científicas del tema ¿Qué pasará el 2012? Nos invita a reflexionar sobre todo lo dicho en la Charla y de esa manera podemos sacar nuestras propias conclusiones. Que todo eso sirva como elemento de juicio para nosotros.

Realizado em 02 de fevereiro, na sala de convenções do Hotel Aité com apoio da Universidade de Arturo Prat (UNAP), sede Victoria, pelo palestrante Hernan Saavedra - engenheiro civil da Universidade do Chile, gerente dos canais eletrônicos do Banco do Estado, com MBA em Comércio Eletônico, mestre em Programação Neurolínguística e Coaching Ontológico.
Saavedra faz uma reflexão baseada em várias fontes científicas e não científicas sobre "O que acontecerá em 2012?" e nos convida a refletir sobre tudo o que foi dito e, assim, formar nossa própria opinião.

Reserve um tempo para assistir o vídeo e dê sua opinião, aqui no Blog.
Queremos saber o que você pensa!


domingo, 19 de fevereiro de 2012

Esqueça o Bouquet

Esqueça o bouquet,
eleja apenas uma rosa.
Não faça declarações de amor,
diga eu te amo.
Nada de adicionar presentes,
multiplique elogios.
O discurso é desnecessário,
o olhar diz tudo.
As conversas levam muito tempo,
perdoar leva segundos.

(Solange Grundmann - 3° ano Letras Espanhol)

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Ao Incerto

Como é bom entregar-se ao incerto.
Abdicar do aparente domínio que pensamos ter sobre o fluxo da vida.
Abraçar generosamente as dádivas que sequer supúnhamos existir.
Ser acometido e surpreendido pelo que não estava, conscientemente, no nosso script existencial.
Enfim, reverenciar os "acasos",
dobrar-se às suas sutilezas e sentir a gélida sensação do impensado.
Pois, o inesperado é fiel ouvinte dos reclames do coração.

(Ricardo Luís Mercuri - Professor de História e graduando em Psicologia)

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Distinta


Me siento distinta en esos días,
Otra vez vuelvo a cometer el mismo error.
El sol ya no tiene aquel color,
Mi corazón late de alegría.
Quererte es más que un sueño,
Mis piernas son demasiado débiles
Pa’tu mirada, las sonrisas ágiles
Cuando los ojos se fijan.
No sé qué hay en ti que me vuelve loca.
Creo que te ríes de mí, soy una mujer
Tan segura y distinta, pero a tu lado no,
Soy como una chiquita de trece años
Que espera por su primer beso…
Intento olvidarte y siempre estoy pensando en ti.
Esta noche solo quiero mirar a las estrellas,
Oír tu voz, sentir tu piel…
Todavía tienes otra…

(Solange Grundmann - 3º ano Letras/ Espanhol)

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Caminhada


Os dias chuvosos haviam cessado e ela resolveu caminhar pelas ruas, árvores e rostos da cidade. No caminhar pensava que poucas coisas proporcionavam um aconchego tão grande à alma quanto o cheiro da grama recém cortada.

Só queria andar, sem pensar, sem questionar, sem desejar. Tudo o que sentia estava sendo concentrado nos movimentos das pernas e na amplitude do olhar.
O entardecer estava bonito, agradável e protetor. A chuva incessante dos últimos dias havia lavado o cenário urbano que ela percorria. Tudo lembrava paz.
Na jornada se deparou com rostos, com pessoas, enfim, com vidas. Ah, estava interessante ausentar-se de si e enxergar outros.

Num certo momento olhou o céu: estava belo. Parecia-lhe que aquela imensidão azul representava fielmente o rosto bondoso de Deus. Contemplação boa!

Em meio a pernas cansadas, ruas, céu e rostos diferentes refletiu se caminhava pela cidade ou por dentro dela. Tudo se confundia num movimento sincrônico de pernas e existência.

(Juliana Lima de Souza - Turma de 2007 – Letras/ Espanhol – Unifran - Professora Municipal Prefeitura de Franca - EMEB Ana Rosa de Lima Barbosa­)

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Ensaio dos dias


Pudera eu, transformar dias longos e tristes num simples pesadelo.

Mas os pesadelos se mostram no descanso noturno – período fértil de te sonhar e sentir como a tua ausência espanca meu corpo.

Você sempre me ganha!

Ainda não sei se gostaria que os dias longos e tristes tivessem sido perfeitos. A perfeição traz consigo a inércia, o dissabor.

Não quero que meu ar profano seja invadido pelo perfume melancólico que a previsibilidade tenta impregnar.

Corro, machuco, recupero, mas faço.

Quero ação, sempre.

Quero movimentação, sempre.

Ou seja, quero você nos meus dias (im)perfeitos.

Sempre.

(Thales Morgan - 2º ano Letras Português/ Espanhol)